19.10.15

Bilhete de amor

Pedro querido,
Hoje acordei feliz e com um sentimento de coração estancado. Não que nada de especial realmente tenha acontecido, talvez tenha sido só um sonho, você-sonho, eu-sonho. Como sempre o é. Mas a verdade é que hoje acordei com o coração menos dolorido de amor e saudade, com o coração limpo de todas as angústias e revoltas contra suas respostas que nunca vêm, ou quando vêm são silênciosas e cortantes. Hoje eu quero seus silêncios. Hoje eu amo seus silêncios. Hoje eu os quero eternos e ternos. E não me preocupo nem que me leias, porque hoje eu só quero ser-te e dizer-te em segredo como estou feliz, Pedro, querido. A verdade do amor - se existe alguma verdade no amor e algum amor no que consideramos ser a  nossa verdade - é que ele nos escolhe. Como uma criança vendada brincando com o destino e com a loucura de mãos dadas, girando, girando, loucamente girando. De repente aponta seu dedo fino para um de nós e sorrindo nos sentenciona: venha girar conosco! E nós giramos, giramos, e é tão bom, Pedro, meu querido, as mãos do amor são finas e as da loucura são ásperas e o destino sorri alegre na minha frente, convidativo. E eu me deixo embalar por essa brincadeira infantil, somos quatro crianças sem hora de ir para cama. E quase nunca vamos! Cochilamos juntos nas gramas da felicidade, abraçados, amontoados, como criaturas selvagens que somos. E corremos alegres adentrando cada vez mais fundo nesse túnel de emoções, tentando escapar da lucidez que corre ao nosso encalce como uma mãe furiosa. Hoje Pedro, meu amor, deixo ir-me cegamente guiada por todos esses sentimentos, imaturos e febris. Deixo-me escapar deslizante das mãos da lucidez para os teus braços, teus braços-sonho, nos quais me imagino aconhechegada num perfeite encaixe. Permito-me olhar dentro dos teus olhos, teus olhos-sonho, que me olham de volta, questionáveis e afáveis. Permito-me beijar a loucura com o rompante de um nascer do sol, e assim beijo teus lábios, teus lábios-sonho também, e você beija-me de volta intenso. E não existe sabor no mundo melhor do que o sabor dos teus lábios embebecidos no vinho do amor, da loucura, do destino.