17.2.14

rabiscos sem lucidez, numa noite do fim de janeiro.


"Te mandei um guardanapo colorido hoje, nele uma confissão de uma noite completamente desperta enrolada em pensamentos sobre você. Tenho medo de estar ficando louca, não sou nenhuma criança tola. Sei o que é encanto, ilusão e só querer! Quero dizer, eu deveria saber. Já vivi pra saber. Já senti pra saber. Mas então me diz o que é isso que tá colado apertado grudado visgando nojento e suado no peito e que vira um buraco quando você passa por cima e me pisa e limpa seus óculos e limpa seus dedos e faz vista grossa ao que eu te desejo. Ao MEU desejo.

Te desejo."